Música

sexta-feira, 4 de abril de 2014

52-"Lisboa espera por nós! E a Luz!"

Cheguei à sala e deparei-me com o pior cenário. A minha mãe estava desmaiada no chão com uma grande mancha de sangue à volta dela, entrei logo em pânico.
-Já chamaste uma ambulância?

-Não.-Respondeu o meu pai.

-Devia ter sido a primeira coisa a fazeres!-Respondi eu correndo para o telemóvel.

-Desculpa entrei em pânico.

-Se começam a exaltar-se é pior!Tenham calma! -Pediu o Nolito enquanto eu falava ao telemóvel. A chamada estava terminada e restou-nos esperar uns longos 10 minutos.
. . .
O Nolito ficou em casa com o Diego, o Pablo e a Diana.Vinte minutos depois de ter feito a chamada já estávamos na sala de espera do hospital. Nenhum de nós pode entrar.
-Espero que ela esteja bem!- Disse eu.

-Mas de onde é que vem aquele sangue todo?-Naquele momento é que se fez luz na minha cabeça e me lembrei que o meu pai não sabia que ela está grávida.

-Deve ter sido uma hemorragia.-O meu pai não perguntou mais nada. Passaram-se mais de 20 minutos em que nem eu nem ele conseguíamos parar quietos. As notícias não chegavam e eu cansei-me de esperar.

-Vou procurar uma enfermeira ou um médico.

-Secalhar é melhor!-Sai daquela sala e procurei por uma enfermeira. Depois de algumas passarem por mim com alguma pressa e sem ouvirem o que eu tentava perguntar, lá consegui que uma parasse.

-Desculpe, pode me dizer como está a minha mãe que entrou com uma hemorragia e que está grávida?

-A sua mãe já está num quarto.Assim que aqui chegou ela acordou e a hemorragia parou.

-E o bebé?

-O bebé está bem mas a sua mãe vai ficar cá uns dias para descansar e fazer-mos mais exames.

-Posso ir vê-la?

-Sim! Segue este corredor sempre em frente e ao fundo vira à direita. Quarto 210.

-Obrigada!-Sai de ao pé da enfermeira e voltei à sala de espera onde estava o meu pai impaciente à espera de noticias. Assim que me viu veio logo na minha direcção.

-Como é que ela está?

-Está melhor mas tem de cá ficar uns dias para fazer mais exames.

-Podemos vê-la?

-Sim mas importas-te que eu vá primeiro?

-Não.

-Não te preocupes que não demoro muito. Ela tem de descansar.-Sai mais uma vez daquela sala em direcção ao quarto da minha mãe, seguindo as indicações que a enfermeira me tinha dado.Assim que lá cheguei bati à porta e entrei.

-Mãe! -Exclamei eu assim que a vi. Num instante percorri aquele espaço entre a porta e a cama dela para lhe dar um beijo.-Como é que te sentes?

-Melhor! Foi só um susto.

-E que grande susto!

-O teu pai?

-Está na sala de espera.

-Contaste-lhe?

-Não mas só porque não sabia o que querias fazer.

-Obrigada. Não quero que ele saiba já, daqui a mais uns meses eu conto. Tenho medo que esta gravidez corra mal.

-Vai correr tudo bem!

-Espero que tenhas razão.

-Mas tens de descansar muito para que corra bem.

-Sim mãe!-Disse a minha mãe, fazendo com nos desmanchasse-mos a rir.

-Olha vou sair para o pai entrar.

-Está bem! -Despedi-me dela com um beijinho e sai do quarto. Voltei a percorrer aquele corredor até à sala de espera.

-Já podes entrar mas não fiques muito tempo, a mãe precisa de descansar.

-Sim é só para ver como ela está e dar-lhe um beijinho.

-Importas-te que eu vá andando para casa?

-Se esperasses íamos os dois no carro.

-Eu vou de táxi. Levas tu o carro depois.

-Está bem. -Dei as indicações ao meu pai de como ir até ao quarto e percorri esse corredor em sentido contrário até à saída. Assim que sai consegui apanhar logo um táxi e 10 minutos depois já estava a meter a chave à porta. Assim que entrei avistei logo o Nolito sentado no sofá da sala com o Pablo ao colo.

-Olha quem chegou! É a mamã! -Disse ele a sorrir para o Pablo. Assim que cheguei perto deles, sentei-me e dei um beijo a cada um.

-O Diego e a Di?

-Estão a dormir. Aqui o traquina é que queria brincadeira!

-E o pai aproveitou!

-Claro! Então e a tua mãe?

-Já está melhor e o bebé está bem mas vai lá ficar uns dias para descansar e ser vigiada pelos médicos.

-Quantos dias?

-Uns quatro ou cinco.

-E...

-E? Calma! Tu não estás neste momento preocupado com a nossa passagem de ano pois não?

-Pois...até estava. Desculpa!

-Eu neste momento só quero pensar na saúde da minha mãe e só saio daqui quando ela estiver melhor.

-Sim tens razão desculpa!

-Estas desculpado! Mas não me faças chatear contigo no dia de Natal que já não está a correr bem. Hoje só quero acabar o dia com paz e amor ao pé de vocês.-O Nolito deu-me um beijo na testa e encostou-se a mim. Permanece-mos assim alguns minutos em silêncio, o que nos fez perceber que o Pablo tinha adormecido. O Nolito pegou nele ao colo e subiu para o pôr na cama dele. Nesse momento o meu pai chegou e fui logo ter com ele.

-Como é que ela estava?

-Como disseste. Está é muito pálida.

-É normal. Perdeu muito sangue.

-Mas ela vai ficar totalmente boa e vem passar a passagem de ano connosco, vais ver.

-Espero que sim!
...
5 Dias Depois (30 de Janeiro de 2013)
Estes cinco dias foram passados entre casa e o hospital. A minha mãe nos primeiros dias melhorou bastante e ganhou a cor normal dela mas onde quando era para receber alta, começou com algumas dores e acabou por ficar.
Hoje eram 11 horas quando acordei. O Nolito tinha me pedido que dormisse mais um pouco que ele tomava conta do trio. Estava a chegar à sala quando o meu pai entra em casa.
-Pai! Foste ao hospital?

-Sim.

-E?

-A mãe vai sair hoje à seguir ao almoço!

-Que bom!-Disse eu dando-lhe um abraço.-Nolito!

-Sim?

-Deixa os meninos que eu tomo conta deles! Podes ir fazer a tua mala! Do hospital seguimos para Lisboa!

-Lisboa espera por nós! E a Luz!-Disse ele super contente. A ultima frase já enquanto caminhava pelo corredor em direcção ao quarto.

. . .
Algumas Horas Depois...
Eram 14 horas quando chegamos todos ao hospital. Depois de alguma insistência e de explicarmos que a minha mãe ia ter alta lá nos deixaram entrar com o trio.
-Chegamos!-Dissemos os três assim que entramos no quarto. A minha mãe sorriu logo.

-Boa Tarde Família! Eu gosto muito de vocês os cinco mas o que é que ainda aqui estão a fazer? Não tem uma longa viagem até Lisboa?

-Olha está a despachar-nos!-Disse eu.

-Não estou nada.

-Não se importam que não passemos a passagem de ano com vocês?-Perguntou o Nolito.

-Claro que não! Aproveitem!

-Então secalhar íamos andando para chegar a tempo do jogo.-Hoje é o ultimo jogo do ano do Benfica e o Nolito queria ir ao estádio ver o jogo e ainda tínhamos algumas horas de viagem de carro.

Despedimo-nos uns dos outros e saímos do hospital. Colocamos o trio no carro e lá fomos nós a caminho de Lisboa. Fizemos várias pequenas paragens pelo caminho. A viagem foi muito animada e passou depressa.

. . .
Eram 19:30 quando estacionávamos no parque do Estádio da Luz. Pensei que fosse mais complicado deixarem-nos entrar com três bebes de quatro meses mas acabou por não haver problema, pareciam já estar à espera da nossa chegada. Encaminharam-os logo para os camarotes onde estava o Cardozo e o Salvio que estão lesionados e as mulheres de alguns jogadores. O ambiente no estádio era de grande festa e animação com a entrada das equipas em campo para o aquecimento.

Fui apresentada a todas as raparigas que ali estavam, eram todas muito simpáticas. Depois as atenções passaram para o trio que ia fazendo as delícias de quem se metia com eles.

Eram 20H quando o jogo começou. O Benfica esteve mais forte o jogo todo mas não teve muitas oportunidades de marcar e o resultado foi apenas 1x0 contra o Nacional da Madeira que defendeu bem a sua baliza.
No fim do jogo tivemos de esperar ainda 20 minutos pelo Ezequiel porque seria na casa dele que iríamos dormir. Assim que ele se despachou fomos até à garagem onde o Nolito pegou no carro e conduziu até lá. 15 minutos depois já estacionávamos na garagem dele.
-Ezequiel posso ir até ao quarto deixar o trio?

-Sim claro que podes, fica à vontade!-Procurei pelo quarto onde deixei o trio que dormia muito serenamente. Mas havia algo estranho que eu tinha reparado assim que o Ezequiel abriu a porta: não estava mais ninguém em casa. Percorri o corredor até à sala onde eles estavam.

-Ezequiel...posso fazer-te uma pergunta?

-Sim, pergunta.

-A Ana?

-Ah esse assunto. Por acaso tenho de falar com vocês por causa dela.

-Diz.-Disse o Nolito.
------------------------------------------------------------------------------------------
Olá!
Espero que tenham gostado deste capítulo. Sei que não está nada de especial mas foi o que surgiu para continuar a história. E desculpem a demora em publicar mas o tempo para escrever tem sido pouco. Espero que não desistam de ler os meus capítulos e não se fartem de esperar quando demoro muito.
Fico à espera das vossas opiniões que são sempre muito importantes para mim!
Besos!

5 comentários:

  1. Olá. Amei este capitulo...apesar de ter demorado "séculos" :P
    Ainda bem que não aconteceu nada ao mano/mana da Sofia e espero que a Mãe dela conte tudo ao marido, afinal é o pai :)
    Espero pelo próximo rapidinho :*

    ResponderEliminar
  2. Fabuloso...

    Quero mais... Tou super curiosa para ver o próximo...

    Continua...

    ResponderEliminar
  3. Descobri um dia desses a tua fic, é fantástica, este capitulo está fantástico, espero que escrevas um novo rapido porque tou cheia de curiosidade.
    Continua...

    Beijinhos!!!
    Lari Lima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lari!
      Muito obrigada pelo teu comentário! Fico muito contente por teres gostado!
      O próximo não sei se está para breve...tenho mais 4 fics além desta e tenho de dar a volta a todas!
      Mas vou tentar não demorar muito mais!
      Beijinhos!

      Eliminar